Sala de televisão

PRAÇA DO PRÍNCIPE REAL, LISBOA

Ter uma sala de televisão separada da sala de estar é considerado um luxo. Neste caso, um dos quartos de dormir foi sacrificado em prol de uma sala de televisão comum para todos os membros da família. Nos dias de hoje, um quarto  partilhado por dois ou mais filhos é uma imagem rara. As famílias preferem isolar as crianças/adolescentes dizendo que é uma questão de privacidade. Eu sempre partilhei quarto e acho que o melhor de ter irmãos é isso mesmo, a partilha.

Neste caso a sala de televisão serve para uma partilha entre filhas e mãe. Uma sala perto dos quartos e com bastante luz,  onde a família se junta a qualquer hora do dia mas como se estivesse numa área bastante íntima.

“Sala de descanso, partilha do espaço íntimo”

Os tons pastel e claros, ajudam-nos a tornar este espaço feminino e ao mesmo tempo um espaço bastante claro.
 O cadeirão onde a avó contava historias à filha, agora é da mãe (antes filha) que partilha essa memória com as suas filhas, criando assim uma sequência geracional, enriquecendo o espaço com história.
Livros!
Estantes para livros são fundamentais numa sala, a verdade é que não há um número certo de livros numa casa, este vai crescendo à medida que os anos passam.
Ter muito espaço para as novas aquisições e encontrar uma lógica para que pareçam arrumados sem que se esteja a recriar a ordenação a cada compra que se faz, é o primeiro passo.
Pode parecer estranho. Mas numa sala onde há tanta diversidade temas, por que não arrumar por cores? A ideia com que ficamos é que estão arrumadíssimos, mas na verdade estão apenas sobrepostos intuitivamente.